sexta-feira, fevereiro 1

Not a girl, not yet a woman

Não, este post não é uma reclamação das incertezas das pessoas (principalmente mulheres - ou garotas?) da minha idade. Embora o assunto rendesse 75623948852 posts, estou citando Britney Spears (quando eu achei, na minha vida inteira, que iria citá-la?) para ilustrar a situação atual da cidade na qual vivo: Belo Horizonte.

Cidade grande, a terceira maior do Brasil, capitar e, segundo as palavras de muitos belorizontinos, uma "roça grande".

Estava eu andando pela Av. do Contorno outro dia e me deparo com um sex shop megastore. É, era mega mesmo. Tudo bem, afinal de contas é mais do que normal encontrar sex shops por aí. Tem "stand de artigos eróticos" até em feiras de artesanato! Ok, eu não estava abalada. Ainda. Eis que me viro e, ao contemplar o outro lado da avenida, o que é que eu vejo? Uma igreja. Olha, se fosse uma igreja católica eu até tentaria descobrir os horários das missas pra ficar esperando na porta e ver as reações das velhinhas beatas. O tal templo sagrado de Deus (tem que ser com maiúscula, né?), no entanto, era mais algum da franquia do Edir Macedo.

Então das duas uma: ou é jogada de marketing do tal "bispo" (vendas casadas: compre um lugar no céu e leve de graça uma algema de pelúcia) ou BH está realmente aprendendo a conviver com as contradições de uma cidade grande. Embora a primeira possibilidade não possa ser prontamente descartada (afinal, nunca se sabe o que a divina providência irá nos trazer, ainda mais quando tudo o que é divino tem parceria com o Edir Macedo), eu ainda acho que Beagá está nessa fase de não saber o que é. É uma adolescente em crise. Ou uma jovem de vinte e poucos anos.

*Ao som de Silbermond - Du und ich

5 comentários:

lela disse...

Gente, é isso! A IURD é uma franquia!
Esse foi o termo mais adequado até hoje...

O problema é que BH, sendo uma adolescente em crise ou uma jovem de vinte e poucos anos, não tem demonstrado esforços para o progresso. Pelo contrário, eu acho cada vez mais difícil me interessar pela cidade em que eu moro, já que não sou piolo de rave, forrozeira ou sei lá.

Só sei que se eu ganhasse na Mega Sena muita coisa iria mudar para o meu povo (a.k.a os deslocados belorizontinos) (huahuahuhaua). Não sei como, mas ia.

Besos e não gosto mais de você.
Humpf.

Livia disse...

oi, te dou um toque? vc está citando a Brit!!! uhu!


e by the way, quando vamos lá hein?? (deixando no ar, no sexshop ou na igreja?)pegadinha do maladro)


Edir, rules, beijos!

Luis Fernando disse...

Começar citando a Britney foi bom! Ela está cada vez mais interessante, diga-se de passagem.
Não sou "belo horizontino" e, sinceramente, para mim chamar essa cidade de Roça Grande, costume tão difundido, é reclamar de barriga cheia. Afinal, é uma cidade simpática e de um tamanho razoável. E, com outros argumentos, sempre existem buracos piores...
E, pensando um pouco aqui, acho que existe uma semelhança muito grande entre a Igreja Universal e sex shops: as duas são empreendimentos pra ganhar dinheiro com necessidades básicas do ser humano.

Fefa disse...

Posss falar?
Essa cidade é um infééééérno! (é com acento mesmo pra dar aquele toque de baiano, sabe?)

Enfim.

Nossa, tem tanto tempo que eu não venho para o mundo dos bloguiados...

Barrão disse...

uau!
adorei a comparação! não imaginei que o texto ia levar a essa comparação. e como disse o luis, uma comparação entre "duas necessidades báscias do ser humano" jajajajajaja
acho que bh gosta de ser chamada da cidade dos botecos.
mas tb há muitos salvadores de almas por aí...pelo menos é o que eles dizem...