quarta-feira, janeiro 16

Com que roupa eu vou?

Nos últimos dias, cumprindo o dever de férias, não tenho feito muito mais do que acordar às 2pm (horário de Brasília), me arrastar pra frente do computador, checar os emails provavelmente três vezes seguidas, constatar que não recebi nada importante e que produtores internacionais de Cialis continuam insistindo que eu devo ter algum problema de ereção e que por isso devo comprar seus produtos (!), enrolar até as 5pm (horário de Brasília - não tenho podido me dar o luxo de poder trocar de fuso-horário), comer algo (totalmente não saudável) e finalmente atingir o ápice da minha rotina diária: assistir House.

Mais impressionante do que o fato de o parágrafo acima ter apenas um ponto final, é aquelas médicas conseguirem se manter impecáveis no trabalho. Ninguém reclama de plantões e o Dr. House parece sempre ansioso para ir embora, sempre no seu exato horário: 6pm (horário de alguma cidade norte-americana que eu não sei precisar), o que me leva a concluir que ele, juntamente com o resto de sua equipe, simplesmente escapam da regra universal e (até agora) incontestável de que todos os médicos dão plantões. Que seja. Considerando então que eles não fazem parte da massa de doutores que reclamam das suas 24 horas ininterruptas de serviço, por que então vemos que eles estão no hospital, incrivelmente, à noite? E o mais chocante de tudo: sem olheiras, com o cabelo preso somente com presilhas (que, para a informação de homens desavisados, soltam com muita facilidade) aparentemente intocadas durante todo o expediente. Elas também estão sempre bem maquiadas (nada vulgar, afinal de contas são doutoras, agentes da saúde) e bem vestidas.

É, talvez essa seja uma das partes mais intrigantes: a vestimenta. Até onde eu me lembre, médicos se vestiam de branco, certo? Pelo menos é isso que uma andada pela área hospitalar da cidade conta, assim como um passeio pelo campus saúde de qualquer universidade. Estou chegando à conclusão, no entanto, que o traje branco seja apenas uma moda ou talvez um jeito desses profissionais (e aspirantes) se reconhecerem mutuamente. E pensar que todos esses anos eu achei que o vestir branco fosse alguma forma de higiene! Que tolice, não? Faz muito mais sentido usar o jaleco pra ir almoçar! Quem sabe você não faz novas amizades?

Ainda bem que nem todas as médicas são bonitas, do contrário o mundo estaria perdido para o resto de nós, simples mortais. Questão de matemática: beleza natural + boa escolha de roupas + maquiagem + sucesso na carreira profissional + "sou médica" = fim da esperança.

Mas meu amor por
House e, mais ainda, pelo Dr. House, pode ser facilmente justificado. Abaixo uma amostra.



É óbvio mas...
*Ao som de
The Who - Baba O'Riley

Um comentário:

Rob Gordon disse...

Detesto vir fazer isso aqui nos comentários, mas não achei seu orkut.

Estou pedindo votos para os parceiros do Champ-Vinyl nessa enquete

http://www.orkut.com/CommPollVote.aspx?cmm=147941&pct=1200457814&pid=69073382

E, se você tiver amigos na comunidade, "campanhe!"

Valeu! Conto com vc! Beijão!